Objetivos do Projeto

Criando campeões, homens e mulheres, na luta contra a violência

Objetivos do Projeto / UN Milênio Gol 3

Para este projeto de longo prazo, nosso objetivo é trabalhar, inicialmente, com ONGs na região dos Grandes Lagos da África, para desenvolver os elementos que apoiam uma nova visão do que significa ser homem ou mulher, e reconsiderar a parceria entre homens e mulheres em outras bases; uma parceria baseada no poder, na firmeza, na riqueza e nobreza inerentes a ambos os gêneros, onde não haja espaço para a violência de gênero.

Não há lugar para a violência nessa atitude. Não de e trata de assoberbar comunidades com fatos e números sobre os benefícios da igualdade de gênero; o desafio é ajudar homens e mulheres a mudarem suas percepções, apreciarem os dois gêneros de maneira equitativa e perceberem que o entendimento e a parceria entre homens e mulheres são muito mais gratificantes do que a ignorância ou a brutalidade.

Portanto, o projeto fornece uma abordagem educacional e prática por ambos os gêneros visando:

  • incentivar valores e respeito de um gênero para com o outro.
  • abordar obstáculos arraigados em comunidades, os quais a evidência continuamente mostra, surgem quando há abuso de gênero, conflito armado e desigualdade de gênero.

Nossa estratégia envolve (i) a busca de remédios eficazes em vez de diluir os esforços em apontar culpados (ii) preparar os homens e mulheres para refletir sobre essas questões, (iii) mostrar como a comunidade pode efetuar uma evolução positiva, sem custos e (iv) incluir homens nas ações de transformação da comunidade. Isso tem provado ser mais efetivo do o senso comum sugere.

Os resultados são tangíveis: em 2006, ONGs em Kisii, oeste do Quênia, executaram um programa com a assistência de Feminenza nas aldeias para incentivar os homens a examinarem todas as tarefas envolvidas nas atividades diárias de suas aldeias, e identificar, em cada uma delas, se historicamente fossem os homens ou as  mulheres responsáveis por executá-las. No final do processo, os homens perceberam que as mulheres carregavam um fardo muito mais pesado. Eles responderam concordando em trabalhar mais no plantio e levar a sério, pela primeira vez, a necessidade de um poço na aldeia para aliviar a carga das mulheres. Houve uma redução direta no estupro, na violência doméstica, no consumo excessivo de álcool e delinquência juvenil após essas sessões.

É possível!